Maria Lisboa Casa de Fado

Maria Lisboa Casa de Fado

E-mail: marialisboafado@gmail.com
Telefone: (51) 98482-1871

Rua Olavo BIlac, 198 (1,59 km)
90040-310 Porto Alegre, RS

Palavras-chave: Gastronomia, Fotografia, Patrimônio Cultura Imaterial, Produção, 

 Uma casa portuguesa com certeza! Em 1953 uma família vinda da cidade do Porto – Portugal trazia na sua bagagem muito mais que alguns pertences, junto eles trouxeram a esperança de uma vida melhor. Essa família comprou uma casa no ano de 1972 situada em um bairro boêmio de Porto Alegre, nesta casa morou um casal português com seu único filho e uma neta. O patriarca dessa família era um guitarrista e fadista que trouxe muitas lembranças de suas noites nos fados vadios da sua cidade natal, por anos ali viveram, e nem imaginava o Sr. Arcanjo que seu bisneto formaria um grupo de fado e música portuguesa, e que nessa mesma casa seria a sede desse grupo, e que hoje é a primeira Casa de Fado do estado do Rio Grande do Sul. A casa já é considerada um ponto cultural e turístico do bairro, muitos são aqueles que param para tirar fotos na frente, assim como o evento “Fado na Cidade Baixa” aguçou a curiosidade e até incentivo das pessoas para que ali se tornasse algo com maior relevância na cultura e turismo de Portugal. Observamos que muitos são aqueles que estão de viagem marcada para Portugal e vem até os eventos para entrar no clima, assim como aqueles que vêm matar a saudade e já se programar para uma viagem de volta, outros os que aqui moram e vem lembrar-se da sua terra querida. Com isso nossa intenção é ter no espaço clube de leitura, artesanato, culinária, dança e música. Assim como receber artistas portugueses, estreitando nossas relações culturais e turísticas.

Ilê Axé Cultural Assobecaty

Ilê Axé Cultural Assobecaty

E_mail: assobecaty@hotmail.com ou carmenpsico8@gmail.com
Fone: (51) 30556655 e (51) 81810404

Endereço: Rua Wenceslau Fontoura n. 226
Jardim Santa Rita Guaíba, RS

Palavras-chave: Ponto de Cultura de Matriz Africana, Pontão de Cultura, Resgate Histórico, Exposição Ilê Ifé

Você sabia que o 1º PONTO DE CULTURA DE MATRIZ AFRICANA, NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, está localizado na cidade de Guaíba ? A casa tradicional, Associação Beneficente Cultural Africana Templo de Yemanjá – ASSOBECATY fundada por Mãe Quina de Yemanjá, em 1943. Hoje é uma referência cultural de Matriz Africana do estado do Rio Grande do Sul. Um ponto de cultura que enfatiza a música, teatro, dança, cinema, fotografia, literatura, exposições. vídeo, arte, inclusão digital, e culinária.

Kanhgág Jãre

Kanhgág Jãre

E-mail: institutokaingang@gmail.com

Terra Indígena Serrinha
Alto Recreio
Ronda Alta – RS, CEP: 99670-000

Palavras-chave: Patrimônio Material e Imaterial, Cultura Indígena, Tradição Oral, Povo Kaingang

Fundada em 2002 a organização indígena Instituto Kaingáng – INKA tem por missão a revitalização, proteção e conservação da cultura junto ao Povo Indígena Kaingáng, mediante a intrínseca relação entre Cultura e Educação. Em 2005 o INKA aprovou no âmbito do Ministério da Cultura, o projeto Ponto de Cultura “Centro Cultural Kanhgág Jãre”, iniciativa que desenvolve desde 2006 junto à comunidade Kaingáng da Terra Indígena Serrinha, Município de Ronda Alta/RS, direcionado ao fortalecimento, valorização e divulgação da cultura do Povo Kaingáng na região. No Ponto de Cultura são promovidas ações de valorização da cultura e língua Kaingáng e conhecimentos tradicionais dos Kanhgág Kófa/idosos Kaingáng, formação de capacidades tendo em vista melhoria da qualidade de vida, bem como a disponibilização de espaço de visitação permanente para socialização da cultura Kaingáng por meio de exposições, apresentações e comercialização de artesanato indígena.

Crescendo e Aprendendo

Crescendo e Aprendendo

Fone: (54) 3379 1231 e (54) 98416-2729

 Av. Ilso Jose Webber, 355
Centro – Coxilha  – RS

Palavras-chave: Social, Cultural, Educacional, Pequena Indústria de Alimentos, Implantação de Estufas para Horticultura

O Projeto Viver “ Centro Cultural e de Assistência Social Ilso José Webber, surgiu em 2005, com a necessidade e a vontade de ajudar adultos e crianças no seu desenvolvimento, de lá para cá trabalhamos com diversas oficinas gratuitas, tanto para crianças como para adultos, tais como leitura, reforço escolar, contação de história, psicóloga, música, teatro, carrinho de rolimã entre outras. Trabalhamos também com a inclusão social, pois temos alunos com deficiência visual e intelectual, os quais se desenvolvem muito bem na música e no teatro. Nossa entidade social é uma OSCIP( Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, sem fins lucrativos ). Participamos dos pontos de cultura desde 2012 com o Projeto “Crescendo e Aprendendo no Mundo da Cultura”. Além da atuação na área cultural, fundamos uma pequena indústria de alimentos e instalamos estufas para produção de hortaliças orgânicas sustentáveis. Isso nos possibilitou autonomia financeira, além de gerar emprego e renda para 9 pessoas. A nossa participação na Teia nos possibilitou uma troca de conhecimento e diversidade cultural imensa e linda em nossa cultura. O empenho e a alegria dos nossos artistas, foi emocionante e gratificante, pois conseguimos visualizar a importância de ensinar o gosto pela cultura em nossa comunidade.

Território Ilhota

Território Ilhota

E-mail: angelicacomunicar@hotmail.com 

Avenida Ipiranga, 752
Porto Alegre

Palavras-chave: Luta, Território, Pertencimento Social, Direito à cidade, Fortalecimento Comunitário, Resistência Urbana, Defesa da criança e adolescente, Idoso, Segurança Alimentar, Revitalização Urbana, Comunicação Popular, Defesa do planeta terra

Nós somos mulheres negras urbanas de um território chamado ILHOTA em PORTO ALEGRE/RS.Nos anos setenta fomos despejadas sem aviso prévio para lugares distantes do trabalho e infraestrutura. Esta desgraça nos fortaleceu e algumas de nós resistiram e ficaram neste local.E da forma que conseguimos fomos sobrevivendo, abrigados embaixo de maricas, em casa de amigos,parentes e vizinhos.E hoje podemos dizer que reativamos está região. É aqui que as comunidades desejam ficar próximas do centro. Um lugar onde existe trabalho e a economia transita. O NOSSO PONTO busca resgatar a memória da história destas lutas por moradia digna.E proteger nossa herança afro-brasileira nossa cultura .Na ILHOTA viveu LUPICINIO RODRIGUES, a música, os ritmos de nossa ancestralidade necessitam ser ouvidos. Outra razão da existência do PONTO é tirar da invisibilidade as verdadeiras heroínas cuidadoras da nossa herança urbana de pertencimento social.Nossos projetos abrangem inúmeros temas: meio ambiente,saúde,geração de renda, arte, cidadania,afrodescedencia, DIREITOS HUMANOS.OPONTO DE CULTURA TERRITORIO ILHOTA preserva a arte urbana de viver de lutar de morar e de tocar os tambores da liberdade.