Nossa Cultura Viva em Todas Gerações

Nossa Cultura Viva em Todas Gerações

Palavras-chave: SCG, ÁGuia Branca, Nossa Cultura Viva em Todas Gerações

O Ponto busca proporcionar a crianças, jovens e adultos a inserção na dança folclórica polonesa, junto a dança estimula-se a prática saudável de exercícios, a imersão nos costumes, nos hábitos dos nossos colonizadores que aqui chegaram em 1891, vindos da Pátria Mãe, Polônia. Através da Sociedade Cultural Guaraniense, da sua direção, com participação da comunidade local, promove-se desde 1996 a POLFEST, a Festa Típica Polonesa, hoje conhecida internacionalmente, com participações de países com a própria Polônia, Suécia, Rússia e Países do MERCOSUL, em especial a Argentina. Sempre promotora e apoiadora da Polfest, esta segundo o Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da Polônia no Brasil, Jacek Junosza Kisielewski, a maior festa polonesa da América Latina, onde durante três dias, vive-se cultura, gastronomia, religiosidade, folclore, artesanato, entre tantas outras manifestações. São direcionadas a todo e qualquer grupo étnico formador ou não da Capital Polonesa dos Gaúchos, onde proporciona-se o resgate, a vivência de costumes dos antepassados colonizadores nos dias de hoje. A Casa Polonesa, Dom Polski, como é chamada, sede da Sociedade Cultural Guaraniense, é um centro de atividades culturais de Guarani das Missões, mantenedora do Grupo Folclórico Polonês Águia Branca, sempre atuou em favor da inserção social e da disponibilização de práticas saudáveis, alicerçada na dança polonesa. É de suma importância para a comunidade, uma vez que proporcionará numa esfera ampla a disponibilização da dança, fortalecerá o artesanato capacitando e gerando futuramente renda às (aos)

Biguá – Espaço Livre

Biguá – Espaço Livre

Rua Padre Cacique, 116 – Ermo (316,91 km)
92.702-150 – Guaíba, RS

Palavras-chave: Bioconstrução, Cultura Popular, Teatro do Oprimido, Biguá,  Sonoplastia, Poesia, Artes Cênicas, Ecologia.

O Ponto de Cultura Biguá – Espaço Livre , surgiu em 2014 com intuito de ser um fomentador de atividades culturais que dialoga diretamente com o publico local promovendo ações integradas de caráter artístico e socioambiental. Em 2015 inaugura sua sede na rua Padre Cacique, 116 – Ermo em Guaíba – RS.

Território Ilhota

Território Ilhota

E-mail: [email protected] 

Avenida Ipiranga, 752
Porto Alegre

Palavras-chave: Luta, Território, Pertencimento Social, Direito à cidade, Fortalecimento Comunitário, Resistência Urbana, Defesa da criança e adolescente, Idoso, Segurança Alimentar, Revitalização Urbana, Comunicação Popular, Defesa do planeta terra

Nós somos mulheres negras urbanas de um território chamado ILHOTA em PORTO ALEGRE/RS.Nos anos setenta fomos despejadas sem aviso prévio para lugares distantes do trabalho e infraestrutura. Esta desgraça nos fortaleceu e algumas de nós resistiram e ficaram neste local.E da forma que conseguimos fomos sobrevivendo, abrigados embaixo de maricas, em casa de amigos,parentes e vizinhos.E hoje podemos dizer que reativamos está região. É aqui que as comunidades desejam ficar próximas do centro. Um lugar onde existe trabalho e a economia transita. O NOSSO PONTO busca resgatar a memória da história destas lutas por moradia digna.E proteger nossa herança afro-brasileira nossa cultura .Na ILHOTA viveu LUPICINIO RODRIGUES, a música, os ritmos de nossa ancestralidade necessitam ser ouvidos. Outra razão da existência do PONTO é tirar da invisibilidade as verdadeiras heroínas cuidadoras da nossa herança urbana de pertencimento social.Nossos projetos abrangem inúmeros temas: meio ambiente,saúde,geração de renda, arte, cidadania,afrodescedencia, DIREITOS HUMANOS.OPONTO DE CULTURA TERRITORIO ILHOTA preserva a arte urbana de viver de lutar de morar e de tocar os tambores da liberdade.

Ara Dudu

Ara Dudu

E-mail: [email protected]
Fone: (55) 996810345

Rua Aparicio Borges,414
Chacara das Flores – Santa Maria-RS

Palavras-chave: Cultura Negra, Negritude, Afrobrasileiros, Pretas

No dia 21 de março do ano de 2014 a partir da vontade e reunião de artistas e produtores negros e negras surgiu o coletivo de Arte e Cultura Negra Ara Dudu com a proposta de desenvolver construção coletiva, estruturada a partir de uma equipe majoritariamente negra que trabalhasse com arte e produção de cultura negra . O nome Ara Dudu, na lingua africana yoruba quer dizer “corpo negro”. Um corpo que nasce com base na filosofia Ubuntu “Sou quem sou, porque somos todos nós!” Nestes contextos que nascemos e trabalhamos diariamente, focadas sobretudo na valorização desta população. Sendo reconhecidos como tulidade Publica do Municipio de Santa Maria via LEI Nº 6527/2021. A partir da nossa sede localizada na Comunidade Periférica Chacará das Floers nos espalhamos em vários espaços e ações, as quais inclusive tiveram apoio financeiro e aprovação em editais tais como: • Incubadora Social da Universidade Federal de Santa Maria-UFSM , até os dias atuais estamos desenvolvendo atividades em parceria com esta instituição, onde são desenvolvidas oficinas culturais de dança , artesanato e literatura e artes plásticas. • Muamba contra o racismo, machismo, lgbtfobia e intolerância religiosa- Um Carnaval onde os excluídos e excluídas viram musas e musos, rainhas e reis de uma corte, referências e inspiração. Mulheres, negros e negras, LGBTS sobem ao palco e apresentam sua arte. É noite de homenagem a nossas estrelas e difundir nossas lutas e nossas vidas da forma mais linda possível. Em 2018 a 3ª Edição desta Muamba recebe o Prêmio Nacional Culturas Populares 2018 – Edição Selma do Coco, do Ministério da Cultura, Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural. • Também Ganhador em 1º Lugar na Categoria Empreendedores de Empresas Incubadas na I Expo Ecoinovar 2018.

Memória e Ação

Memória e Ação

E-mail: [email protected]
Fones: (54)3293.2363 – (54)99945.1046

Rua Carlos Teles, 535
CEP 95.250-000 – Antônio Prado – RS

Palavras-Chave: Patrimônio Cultural Imaterial, Língua Italiana, Canto Coral, Cultura Italiana, Gastronomia.

O Coral Vozes do Prado, desde 1987, trabalha com foco na cultura italiana, seus costumes, ferramentas de trabalho, artesanato, gastronomia, danças e canções, assim como na preservação da linguagem e do “talian”, originado a partir da imigração. Sob responsabilidade do Ponto de Cultura Memória e Ação, ministra cursos de dança, violão, canto coral, técnica vocal, fotografia e língua talian, gratuitamente aos inscritos. Vozes do Prado participa de encontros de coros regionais e realiza seu próprio evento anualmente, recebendo coros de várias regiões do Estado do Rio Grande do Sul. Foi carinhosamente chamado de “O Guardião de nossas raízes” por uma comitiva italiana em visita a Antônio Prado na comemoração dos 100 anos de emancipação do município. Com muitos anos de experiência em cantoria, o grupo registrou em dois cds o repertório popular italiano, sendo CD Bel Mazzolin de Fiori e CD La Bella Polenta. Duas grandes obras das quais só podemos nos orgulhar… A partir da criação do ponto de cultura, em 2012, passa a trabalhar com peças cênicas, revivendo a história dos antepassados italianos, sua trajetória desde a Itália até o Brasil, seu desbravamento e criação de cidades, suas dores e conquistas. – O Espetáculo Cênico Musical: “Canto: Alegria e Nostalgia”, é sucesso sempre e emociona a todos, os atores simulam em palco, o balanço do navio em alto mar, e assim, inicia a grande viagem. – “Cossita Zè la Vita”, uma obra alegre e contagiante, relata a partida de duas famílias da Itália para o Brasil, com muito humor e responsabilidade. – “Nel Bastimento” é um espetáculo do folclore italiano, que transita entre a música e o teatro, cantando sua história. Nela, um grupo de pessoas Italianas empreendem viagem rumo ao continente americano, Ao Brasile! Personagens clássicos como “A Nona”, “O Padre”, “Os Namorados”, “As Crianças” e outros, fazem desse navio seu lar e convivem ao ponto de se transformar em família, como se passassem nessa viagem uma vida inteira, como se a viagem fosse o renascimento para uma vida nova. Nel Bastimento, cantando vieram, no navio que os trouxe até aqui.