10° Fórum dos Pontos de Cultura do RS (Programação)

10° Fórum dos Pontos de Cultura do RS (Programação)

Entre os dias 13, 14 e 15 de maio de 2021, os pontos de cultura se reúnem, em ambiente virtual, mas com base de transmissão no município de Ijuí, para realizar o 10° Fórum dos Pontos de Cultura do RS. Na ocasião, deve ser estimulada a reflexão sobre os desafios do fazer cultural em tempos de pandemia e as perspectivas da política Cultura Viva em nosso estado. Haverá ainda, entre diversas mesas de discussão, a escolha da nova Comissão Estadual dos Pontos de Cultura e os novos representantes do Comitê Gestor Cultura Viva.

As atividades de caráter público serão abertas e terão transmissão pelos canais da Rede RS de Pontos de Cultura: facebook youtube.

Confira toda a programação:

DIA 13/05 – QUINTA FEIRA (Live)

20:00 – Abertura e apresentação cultural (representantes da Comissão RS, da Guayí, SEDAC, Prefeitura de Ijuí e dos Pontos de Ijuí)

20:30 – Histórico e organograma da Política Cultura Viva (Leandro Anton e Patrícia Dorneles)

21:30 – Diálogos com a plenária
______________________________________________________________

DIA 14/05 – SEXTA FEIRA (Live)

18:00 – Roda de Mestras e Mestres da Cultura do RS (Mediação: Mestre Ivan Therra)

20:00 – Aprovação do regimento do fórum e deliberações gerais (Paola Mallmann, Mestre Ivan Therra e Mestre Guto)

20:30 – Panorama da cultura de base comunitária no Brasil (Mestre Guto – RS, Fabiana Menini – RS, Mirna Carla – CE e Marjorie Botelho – RJ)

21:30 – Diálogos com a plenária
______________________________________________________________

DIA 15/05 – SÁBADO (Live)

09:00 – Palestra e lançamento do livro “Por todos os caminhos: Pontos de Cultura na América Latina” (Célio Turino – SP)

10:00 – Diálogos sobre “Quem somos e onde estamos – perspectivas de continuidade e conexões com a rede latino-americana de cultura viva.” (Leandro Anton – RS, Mãe Carmem – RS, María Emilia de la Iglesia – Argentina e Márcio Griô – BA)

11:00 – Diálogos com a plenária

14:00 – Diálogos sobre “O papel da comissão RS e do comitê gestor na implementação da Lei Cultura Viva Estadual” (integrantes da Comissão e do Comitê Cultura Viva)

15:00 – Grupos para reflexões temáticas e formulação de propostas:

1. Fomento : financiamento de projetos, editais/termos de compromissos culturais/convênios, emendas parlamentares, lei cultura viva/FAC percentuais e cotas;
2. Articulação e Políticas culturais : participação dos conselhos de cultura, mobilização e participação da sociedade civil, articulação com outros conselhos e movimentos (saúde, assistência social…);
3. Desafios e Potências: continuidade e manutenção dos pontos de cultura, cenário pandêmico e pós-pandemia / avanços e retrocessos da Rede dos Pontos de Cultura do RS;
4. Novas formas de fazer cultura : ensino e fazeres culturais a distância, inovações tecnológicas, difusão e multiplicação de ações culturais;
5. Aspectos legais da cultura viva (legislações culturais): marco regulatório da sociedade civil, lei cultura viva – nacional, estadual e municipal, termo de compromisso cultural – TCC;
6. Cultura viva e preservação ambiental: cultura de base comunitária como resistência e enfrentamento aos retrocessos das políticas ambientais;
7. Cultura e economia solidária: geração de renda, cooperativismo, associativismo e sustentabilidade.

16:00 – Apresentação das propostas

19:00 – Eleição da comissão RS e do comitê cultura viva (André de jesus, Marta Nunes e Mestre Guto)

20:00 – Apresentação do comitê, da Comissão e entrega de deliberações da rede para representantes do CEC- RS, SEDAC, CODIC e ALERGS, Secretaria Nacional de Cultura

21:00 – Apresentação artística de encerramento

Lançamento do programa Ponto de Cultura

Lançamento do programa Ponto de Cultura

O  Programa Ponto de Cultura é para quem ama desenvolver suas atividades rotineiras com a companhia de um bom programa cultural de rádio ou podcast. É uma produção em áudio com o objetivo de ser um espaço de participação social e diálogo da Cultura Viva – a política pública cultural de base comunitária – onde a arte, a educação, a diversidade, os direitos e as ações culturais são os protagonistas. Lugar da informação, da expressão, do compartilhamento, da cooperação e da solidariedade.

A iniciativa tem realização do Segmento Cultura Viva de Santa Maria e da Rede RS Pontos de Cultura com apoio da TV OVO. A locução, produção e roteiro dos programas é por conta de Paulo Tavares, com assistência de produção de Tayná Lopes, edição e finalização de som de Victor Mascarenhas, Gisele Guimarães está a frente do quadro “Com a palavra o artista” apresentando compositores e suas obras, e o nosso convidado especial é você.

Se aventure nessa narrativa sonora e cultural junto com a gente. Com edição semanal, toda segunda-feira lançamos um novo programa. É uma ação experimental feita com muito afeto e coletividade que hoje alça pequenos voos nas ondas sonoras. Convide os colegas de trabalho do seu Ponto de Cultura, vizinhos, amigos e familiares para juntos conhecermos um pouco mais sobre a nossa cultura viva de todo dia.

Já temos 03 programas no ar, para ouvir clique aqui: https://anchor.fm/programa-ponto-de-cultura. O podcast também está disponível no Spotify, podendo ser ouvido tanto no celular quanto no computador. Além da vinculação online do programa, também estamos transmitindo na http://radionovasantamarta.com.br, aos sábados, às 20h. O programa também está disponível para as Rádios Comunitárias da ABRAÇO Rio Grande do Sul – Associação Gaúcha de Radiodifusão Comunitária e Web rádios que tiverem interesse.

1ª edição: A retomada do Programa Ponto de Cultura e a memória da primeira edição em 2006; a Política Cultura Viva e os Pontos de Cultura, com participação de Tadeu Costa do Ponto de Cultura COEPi de Pirenópolis, GO e Leandro Anton do Ponto de Cultura Quilombo do Sopapo de Porto Alegre e Coordenador do Comitê Gestor da Política Estadual Cultura Viva do Rio Grande do Sul; e o Ponto de Cultura Vozes da Esperança de Santa Maria.

2ª edição: O Ponto de Cultura Grêmio Esportivo Ferrinho de Porto Alegre e a Mostra Cultural da Teia RS 2021, com a participação de Paola Mallmann de Oliveira; e o Ponto de Cultura Flor da Areia da praia de Cidreira.

3ª edição: As instâncias de organização da Política Estadual Cultura Viva e dos Pontos de Cultura no Rio Grande do Sul e o 10⁰ Fórum Estadual dos Pontos de Cultura, com a participação de Mário Augusto da Rosa Dutra, o Mestre Guto; a memória do 3⁰ programa de 2006, com participação de Nancy Araújo e Eduardo Solari; e o Ponto de Cultura STR Mostardas e o 1⁰ de Maio – Dia dos Trabalhadores, com Tadeu Perciuncula.

 Uma ótima dica, não é mesmo? Ainda mais nestes tempos de pandemia que as notícias que chegam aos nossos ouvidos são tão dolorosas, então, ouça o programa Ponto de Cultura se conecte com a Rede dos Pontos de Cultura do RS, com saberes e fazeres culturais para conhecer bons exemplos de trajetórias e iniciativas artísticas e sociais e para cultivar conhecimento e esperança por dias melhores.

Te esperamos de ouvidos e mente aberta!

Para mais informações e contato: pgmpontodecultura@gmail.com e telefone (55) 3213-5478 e (55) 991727209 (whatsapp)

Cine em Movimento

Cine em Movimento

Bom dia, ponteiros e ponteiras!

A TV OVO, de Santa Maria, convida todos os pontos de cultura que atuam no segmento do audiovisual a inscrever suas produções no edital Cine em Movimento.
O objetivo é selecionar curtas-metragens produzidos no RS para exibição em cidades do interior do estado, após o fim da pandemia.
Podem ser inscritas produções de até 25 minutos de classificação indicativa livre, inéditas ou não. Também não há restrição de temática, linguagem ou formato.
O edital pode ser acessado em https://tvovo.org/wp-content/uploads/2021/04/Edital-TV-OVO-n%C2%BA-0012021-Cine-em-Movimento.pdf

Um abraço afetuoso 🥰

Manifesto da Rede dos Pontos de Cultura do RS Sobre a Intervenção no Edital Trajetórias

Manifesto da Rede dos Pontos de Cultura do RS Sobre a Intervenção no Edital Trajetórias

EM BUSCA DO PONTO DE EQUILÍBRIO

O Brasil atravessa um dos momentos mais críticos da sua história. E mais do que nunca precisa de uma ponta de esperança. A história da formação da “cultura brasileira”, foi feita a ferro e fogo, por cima da história dos povos originários e estruturada com mão de obra escrava. O desejo de posse dos colonizadores por explorar a natureza, “os recursos naturais e os recursos humanos”, estabelece a reprodução de um Estado (aos moldes coloniais) que apenas através da Constituição Federal de 1988 conseguiu reconhecer os direitos indígenas e entre eles, os direitos culturais, contemplando uma visão de cultura não restrita à elite e o conceito de patrimônio para além dos prédios e monumentos, isso para poder incluir os saberes, fazeres e memórias da cultura popular e das tradições afrobrasileiras e indígenas, entre outras tradições como ciganas, e os valores intangíveis que são transmitidos por esses legados. 

Esse processo cultural de um caminho de “cura da memória brasileira”, foi freado e retrocedido nos últimos anos, devido a um processo político e social que resultou no momento político conservador de extrema dificuldade que vivemos hoje. 

Com o agravamento da pandemia, já sem políticas culturais no cenário nacional, surge a Lei Aldir Blanc e no estado do Rio Grande do Sul é elaborado, concebido e aprovado o Edital Sirley Amaro do Instituto Trocando Ideia, que tem como objetivo premiar e reconhecer trajetórias culturais de relevância para a cultura gaúcha, destacando a cultura de base comunitária. 

No entanto, a desconfiança e a desvalorização completa promovida pelas  denúncias sobre o pleito, com um tom de desqualificar a instituição promotora da execução do recurso, acabaram por manchar injustamente a força e até mesmo a proposta do Prêmio. 

O fato de que este edital, com regras e princípios inclusivos, tenha aberto a possibilidade para que lideranças culturais comunitárias, tivessem seus respectivos direitos ao prêmio reconhecidos, como nunca haviam sido antes, suscitou com que artistas locais de projeção nacional, se sentissem injustiçados ao não serem reconhecidas suas trajetórias.

 Mas afinal, o que a Mestra Sirley Amaro diria? Como costurar essas fissuras, essas dualidades e mesmo tendências a polarizar os debates que tanto parecem nos habitar? Existe um caminho do meio para uma renovação da cultura brasileira e, no caso, a gaúcha? E se existe, de que forma o acontecido recente ao invés de gerar crise, disputas e conflitos, pode servir de reflexão sanadora para esses tempos em que a depressão, as mortes e a perda não só de vidas, mas de planos e sonhos, acarreta a todos (as)? 

Perguntas surgem de todos os lados, algumas com intenções questionáveis e outras com justa medida. Dentre elas: Existiria melhor forma de ser pensado esse desenho, desde o valor do cachê, até a avaliação? certamente deveria haver, mas essa decisão foi feita nas Conferências de Cultura de 2020, agora, o que nos cabe, às pessoas que integram o setor da cultura, é nos auto responsabilizar e também exercitarmos um pouco mais nossa consciência sócio-cultural e histórica para que não apenas haja “justiça” neste processo cultural, mas que se limpe esse sentimento, essa “nuvem pandêmica” que circunda o país e o exercício da cidadania cultural.

 Neste momento, onde o racismo estrutural se esconde nas denúncias que querem desclassificar as trajetórias culturais dos contemplados, precisamos refletir, de forma amorosa, relembrar como chegamos até aqui e encontrar a melhor solução, que não nos leve para a simples dualidade de opiniões e nos coloque em confronto.

Ao debater o racismo, temos a oportunidade, de juntos, enquanto sociedade, considerando sempre nossas comunidades e os seus fazedores de cultura, transcender de alguma forma, para nos olharmos como irmãos, de forma igualitária, sem distinção feita por rótulos de cor, raça, religiosidade, nível educacional, posses pessoais.

Sempre podemos e devemos fazer o nosso melhor, isto implica estar aberto a críticas e promover as correções e acertos necessários e principalmente refletir a partir da caminhada feita para que se estivesse onde estamos: um edital com homenagem a uma Mestra Griô e com 51% de cotas estabelecidas.

Cabe relembrar que a partir de um episódio de racismo ocorrido no RS em 03/07/2020 durante um debate ao vivo promovido pela Associação Profissional de Técnicos Cinematográficos do Rio Grande do Sul (APTC-RS), provocou um movimento forte que trouxe para a discussão da execução da Lei Aldir Blanc, inclusive a nível nacional, a necessidade de garantir a existência de Políticas Inclusivas e Afirmativas. 

(https://entretenimento.uol.com.br/noticias/redacao/2020/07/07/mariani-ferreira-luciana-tomasi-filme-de-senzala.htm)

Na 5ª Conferência de Cultura, o tema das cotas, também esteve presente, quando em 27/8, encerrando o primeiro Ciclo de Debates, aconteceu o painel  “Políticas Inclusivas e Afirmativas”, onde participaram, Mãe Carmen de Oxalá, Fernanda Kaingáng e Marcos Rocha. A pauta foi a discussão de cotas, pontuação extra, mais divulgação, formas de acesso, aproveitamento de recursos para fortalecer ou construir políticas afirmativas, facilitando mais participação e acesso.

(https://cultura.rs.gov.br/5-conferencia-estadual-de-cultura-encerra-nesta-semana-o-primeiro-ciclo-de-discussoes)

Assim, o edital da SEDAC, onde o Instituto Trocando Ideias foi selecionado já tinha várias definições, quanto ao valor da premiação que agora vem sendo contestada, quanto a existência de cotas mediante autodeclaração nas inscrições, conforme o termo de referência constante do Edital 11/2020.

Muito importante afirmar ainda, que vivenciamos até o resultado inicial do Prêmio Trajetória Cultural RS, as demandas apresentadas, debatidas e conquistadas durante a 5ª Conferência Estadual de Cultura.

  Entendemos que na condução do Instituto Trocando Ideias, que foi validada pela SEDAC, quando foi divulgado o edital, lá estavam bem claras as várias regras e critérios, como também a homenagem póstuma à Mestra Griô Sirley Amaro.

Neste ponto, cabe ressaltar o empenho e a transparência em deixar todos os pontos bem claros, pois houve uma busca ativa para as inscrições que foram aceitas de várias formas: escritas no site, vídeos enviados pelo site e por telefone, via um 0800 disponibilizado, para que os fazedores de cultura, tivessem acesso a premiação. Novamente aqui, percebemos uma demanda forte e feita durante todo o período de debates sobre a implementação da LAB, da necessidade desta busca ativa e de apoio para que as pessoas na ponta, tivessem acesso aos recursos emergências, onde os Pontos de Cultura, sempre se colocaram como suporte às suas comunidades.

 Que os artistas consagrados possam conhecer os Pontos de Cultura e que os Pontos de Cultura possam ser reconhecidos nesta seara do mundo cultural e que, independente do pertencimento étnico, cultural, territorial, despertemos o sentimento de que o amplo patrimônio cultural em que estamos envolvidos pertence à todos e a todas nós. 

Os Mestres e Mestras da Cultura deste edital Trajetórias, que cultivam uma noção afirmada do fazer cultural, agora é hora, que tragam seus ensinos perante esse momento, mostrando caminhos e soluções para que possamos fazer frente ao futuro que nos espera, plantando hoje o que vamos colher amanhã, como realizadores culturais deste era.

Por fim, compartilhamos nossa estranheza e indignação ao tratamento dado a administração deste edital, considerando que as reclamações e os problemas relativos ao mesmo, foram infinitamente menores que outros editais semelhantes, que desde o princípio causaram descontentamento geral, expressos em cartas, reuniões e comentários em redes sociais,

Desta forma, a Rede de Pontos de Cultura do RS se solidariza com o Instituto Trocando Ideia e com todas as pessoas que foram classificadas legitimamente e nos colocamos a disposição para colaborar na correção de possíveis equívocos.

 

Porto Alegre, 24 de Abril de 2021

Realizada assessoria para as lives da Mostra TEIA RS 2021

Realizada assessoria para as lives da Mostra TEIA RS 2021

Parte do projeto da TEIA em execução, a Rede Pontos de Cultura RS promoveu uma primeira etapa de assessorias para as lives dos pontos de cultura que se apresentarão na Mostra da TEIA RS 2021. Com o objetivo de equacionar conhecimentos, dar dicas de iluminação e som e melhor uso dos equipamentos e estrutura que cada ponto tem à disposição, além de promover familiarização com a plataforma em que ocorrerão as apresentações, se fizeram presentes em 2 noites de trabalho os Pontos Liberdade e Expressão, Quilombo do Sopapo, Africanamente, Africanidades, Vale dos Vinhedos, STR Mostardas, 24 de Agosto, O Araçá, Pachamama, Cineclube Torres, Águia Agito Cultural, Casa de Cultura Helena Carolina, Santa Cruz do Sul, Círcolo Trentino, Kaingáh Jãre, AIPAN, Flor de Areia e Avesol, além do Ponto de Cultura e Saúde Ventre Livre e TV OVO, ministrantes da “oficina”.

Agora, é aguardar dia 08/03 para estourar cada apresentação de cada Ponto e mostrar toda a diversidade cultural desta Rede!

Prêmio Trajetórias Culturais – Inscrições abertas até 9 de março

Prêmio Trajetórias Culturais – Inscrições abertas até 9 de março

O Prêmio Trajetórias Culturais Mestra Sirley Amaro contemplará e reconhecerá as fazedoras/es dos diversos segmentos culturais que transformam a vida com a sua arte e cultura nas diferentes comunidades do Estado do Rio Grande do Sul. Por meio da Lei Aldir Blanc facilitamos o acesso ao recurso a todas/os as/os afetadas/os pela pandemia do Novo Corona Vírus. Serão 1.500 trajetórias culturais reconhecidas e valorizadas com um prêmio em dinheiro de R$ 8.000,00 * (oito mil reais) brutos por prêmio.

Site do Prêmio Trajetórias Culturais – Mestra Sirley Amaro